quarta-feira, 29 de maio de 2013

LULA EXPLICANDO O BOLSA FAMÍLIA AO GOSTO DO FREGUÊS ENQUANTO A EDUCAÇÃO SEGUE PRO BURACO

video

O Bolsa Família é um plano de poder muito bem arquitetado e envolto num manto de pureza acima de qualquer suspeita; o da "desigualdade social". 
Já se foram 8 anos de Lula... a Dilma já tem 4... 

Alguém suspeita qual partido estará na presidência pelos próximos 16 anos? (Estou sendo otimista)

Em contrapartida, será que alguém pode me apresentar quais foram os reais avanços educacionais no Brasil durante esta imensa gestão petista? 
Parafraseando o Lula: "como nunca antes na história deste país" a educação vem sofrendo grave e notório desmantelamento. Mas como não dá pra falar mal daqueles que depositam uma graninha mensal na conta do pobre, melhor mesmo é ignorar. (E o que mais não será ignorado por conta de alguns poucos reais?)

Ao invés de se melhorar efetivamente as condições de trabalho para os professores e, principalmente, a qualidade do ensino no Brasil, tem-se priorizado outro tipo de educação que certos "especialistas" consideram como essencial para o desenvolvimento do alunado. Na escola de hoje você pode não saber de nada sobre matemática ou português (até porque se tirar nota baixa o aluno não vai reprovar mesmo) mas com certeza deverá aprender:

- Como colocar uma camisinha corretamente num pênis ereto (e tem "tia" que ensina até como usar a boca para tal). 

- Como usar drogas sem ser contaminado.

- Como massagear os órgãos genitais para ficar "mais esperta" (ainda ganha um espelhinho de brinde).

- Até onde vai a língua durante um beijo lésbico.

- Incentivo à poligamia.

- Incentivo à promiscuidade.

A qualidade do ensino foi para o ralo da mediocridade... (veja este exemplo aqui)
Com um conteúdo pedagógico destes, queriam o quê? 
Enquanto o "companheirada" se perpetua no poder através do Bolsa Família a educação vai ficando cada vez mais e mais longe da ideal. Afinal, educar pra quê? 

Para este governo basta que o sujeito consiga apertar alguns botões na hora de votar e pronto. 

"Coizas do Brasiu".




terça-feira, 28 de maio de 2013

MARCHA DAS VAZIAS


NOTA DO BLOG:

ATENÇÃO! ESTA POSTAGEM POSSUI LINGUAGEM IMPRÓPRIA DO MAIS BAIXO NÍVEL INTELECTUAL QUE UM SER HUMANO PODE CONCEBER – E NÃO FOI POR CULPA DA AUTORA DO TEXTO – E FOTOS DE NUDEZ. 

NÃO É HÁBITO DESTE BLOG POSTAR TAIS IMAGENS, NO ENTANTO, DEVIDO A GRAVIDADE DO TEMA, SE FAZ NECESSÁRIA ESTA PUBLICAÇÃO. 

É CLARO QUE ESTE ALERTA VALE APENAS PARA AQUELES QUE AINDA POSSUEM ALGUMA RESERVA MORAL POIS, PARA TANTOS, ESTE AVISO SERÁ VISTO COMO ATO DE "PIEGUISMO" OU "FALSO MORALISMO" (TERMOS MUITO RECORRENTES HOJE EM DIA). 


Onde estão os conselheiros tutelares ou os árduos defensores do ECA?

Míriam Macedo - Quarenta nos atrás, revolucionário de esquerda chamava 'isto' aí de decadência burguesa. Na década de 70, desbunde como a Marcha das Vadias seria visto pelo pessoal engajado como coisa de burguesinha alienada, privilegiada, desocupada e condenada à extinção (física, em muitos casos) quando florescesse e se realizasse o reino da verdadeira liberdade: o socialismo.



Quem não se lembra do escárnio com que os comunistas se referiam aos desbundados, aqueles pequenos ratos burgueses que abandonavam a luta pelo socialismo e se rendiam à alienação das drogas, do sexo livre e do rock'n roll?

Hoje, é revolucionário pedir a legalização das drogas e praticar o sexo livre (promíscuo, é a palavra). Ou seja, para a mentalidade revolucionária as ideias não têm nenhuma importância. 

Defender hoje o que combatiam ontem é mera conveniência do projeto de poder totalitário que os "guerreiros pelo socialismo" querem implantar no mundo (saibam ou não disto os 'companheiros de viagem' e inocentes (in)úteis da história).



Vamos falar claro: não são as ideias que não prestam, quem não vale nada é o próprio revolucionário. Não se pode aceitar discutir 'ideias' com qualquer um deles, seria conceder-lhes o status de interlocutores. Não o são, revolucionário é um sujeito que não defende ideias, o seu projeto é destruir o mundo. Ele não aceita a realidade, qualquer uma.

Antes, as feministas acusavam o 'sistema' de oprimir a mulher, que era obrigada a tornar-se vadia por rejeição da família e para servir de objeto sexual dos machistas chauvinistas. Agora, o must é ser vadia, prostituta virou "profissional do sexo", tem registro do Ministério do Trabalho e grife Daspu.

O que um revolucionário fala é desmentido pela realidade que está à sua frente, é negado pelo que ele está fazendo naquele momento. Não porque o revolucionário não perceba a incoerência, o desvio. Não! A intenção é exatamente esta, praticar a inversão para transformar o mundo em 'algo jamais visto', nas palavras do satânico chefe da seita, Karl Marx.

Quer ver? Basta olhar a Marcha das Vadias: a passeata está coalhada de crianças. Mas, convenhamos, só por delírio uma pessoa que diz defender o direito da criança à inocência e que é contra a sua exploração como objeto sexual decide levar o próprio filho (filha, em sua maioria) à Marcha das Vadias, em que mulheres com roupa, atitude e discurso de vagabundas se orgulham de serem vadias, putas e sapatonas. Mulheres de vida fácil, isto sim. 

Agora, experimenta dizer a estas vagabundas (elas não se ofendem de serem assim chamadas, por supuesto) que criança pode, sim, levar palmadas dos pais, para sua educação e disciplina. Avançarão sobre quem o disser com unhas e dentes, berrando Violência! Mas consideram prova de amor pedagógico levar esta mesma criança ao circo de horrores, depravação, vulgaridade e indução à promiscuidade, exatamenteo o que é a Marcha das Vadias.

Hoje, a inversão é norma. Todo mundo sabe que mulher 'vadia' não é coisa que preste. E ficamos todas nós a gritar que somos vadias? Ninguém mais acredita nos seus próprios olhos.


É assim que funciona a mente revolucionária, hoje e ontem, aqui e em Cuba. Quando tomou o poder, Fidel Castro pôs na cadeia e mandou para el paredón dezenas de centenas de homossexuais, porque o seu comportamento era 'anti-revolucionário'. Cinquenta anos depois, o mesmo comportamento é aceito, até louvado.

Fidel pediu desculpas: "eu errei". Lorota, ele não acha que errou, acha que estava certo lá atrás e acha que está certo agora. Se for do interesse do projeto revolucionário voltar a perseguir, encarcerar e matar homossexuais, isto será feito. Se, daqui a algum tempo, as 'vadias' não mais interessarem elas serão 'oprimidas' e 'reprimidas'.



Esta mulherada (a maioria é canhão, doida que alguém lhe jogue pelo menos um gracejo na rua) faria melhor se ficasse em casa estudando, lendo, se instruindo. Ainda nos pouparia deste espetáculo grotesco e bizarro de banhas explodindo, peitos caídos, celulite e pneus.


Uma amiga de muitos anos, mulher sensível, culta, criativa, nascida em berço aristocrático de tradicional família mineira e hoje uma distinta senhora e avó de muitos netos, cobra de mim ter mudado, de não ser a mesma pessoa que ela conheceu na juventude. Ela lamenta que eu não apoie a Marcha das Vadias.

Eu lhe perguntei se ela se orgulharia de ver suas filhas e netas ao lado de gente que porta cartazes onde se lê "A porra da buceta é minha". Ela não respondeu. Eu respondo: as minhas filhas eu queremos em outras companhias. 

Ter feito e defendido coisa semelhante no passado só aumenta a minha obrigação de lutar contra isto agora. Mudar é próprio de quem pensa, de quem busca a verdade. Hoje, eu prefiro ficar com as palavras de São Paulo: "Aspirai às coisas do alto e não às coisas da terra".

Marcha das Vadias? Eu e minhas filhas não vamos. Porque não somos.

Link original

sábado, 25 de maio de 2013

PALESTINOS COLOCAM
BANDEIRA NAZISTA SOBRE
MESQUITA PERTO DE HEBROM

Escrito por: RACHEL AVRAHAM
Traduzido por: Júlio Severo

Residentes judeus da Judeia e Samaria ficaram chocados ao verem uma bandeira nazista tremulando sobre uma mesquita na vila palestina de Beit Omar perto de Hebrom na segunda-feira. A bandeira estava visível para milhares de cidadãos israelenses que passavam pela mesquita a caminho de Hebrom para trabalhar.



Uri Arnon, que viu a bandeira, disse à Agência Noticiosa Tazpit: “Senti como se eu estivesse voltando 75 anos atrás, perdendo nosso controle da terra. Os árabes não mais sentem necessidade de esconderem suas tendências assassinas, anunciando em voz alta que eles desejam nos destruir.”

Aryeh Savir da Agência Noticiosa Tazpit noticiou: “A resposta mais recente da Secretaria de Coordenação de Atividades Governamentais nos Territórios (SCAGT) das Forças de Defesa de Israel é que eles estão esperando que os membros da empresa palestina de eletricidade entrem e removam a bandeira, pois ela está tremulando nos fios de eletricidade.”
Independente se a bandeira permanecerá ali ou não, o fato de que uma bandeira nazista foi colocada sobre uma mesquita palestina é um lembrete sinistro de como certos nacionalistas palestinos têm demonstrado apoio manifesto ao nazismo, assim revelando mais uma vez que eles não têm nenhuma intenção de coexistir pacificamente com Israel.

Aliás, a Fundação Walid Shoebat, que é dirigida por um palestino chamado Walid Shoebat (que no passado foi um terrorista da OLP, mas em recentes anos se tornou defensor de Israel), afirma que tais ações palestinas não deveriam surpreender nenhum de nós. Ele diz que o fato de que uma bandeira nazista esteja tremulando sobre uma mesquita palestina “deveria ser de conhecimento público, mas é continuamente ignorado — os fundamentalistas islâmicos e os nazistas têm a mesma mente. Que uma bandeira nazista tremulando numa vila palestina perto de uma mesquita deveria realmente ser menos chocante do que o fato de que tantos estão chocados com ela.”

O grande mufti da Palestina e Hitler
Na década de 1930 o líder islâmico (grande mufti) Haj Amin Al Husseini, que estava diretamente envolvido nos tumultos de 1929 que destruíram a antiga comunidade judaica de Hebrom, desenvolveu uma aliança muito íntima com a Alemanha nazista. O grande mufti e seus seguidores gostavam tanto de Hitler que eles até adotaram as saudações nazistas, agitavam retratos de Hitler nos comícios e colocavam suásticas em seus materiais escritos, enquanto os nazistas retribuíam dando bolsas de estudos para estudantes árabes, contratando árabes em firmas alemães e convidando líderes árabes para comícios nazistas numa época em que os judeus que haviam vivido dentro da Alemanha a vida inteira eram proibidos de ter tais oportunidade.

Aliás, o mufti estava na folha de pagamento dos nazistas como um agente e propagandista, e os nazistas estavam ativamente envolvidos na formação de ligações com os meios de comunicação árabes, cujo legado anti-judeu que começou por volta da época do Holocausto dura até os dias de hoje. O grande mufti estava por trás da Grande Revolta Árabe de 1936-1939 e das inúmeras operações terroristas árabes mirando os judeus de Israel; ele estava envolvido com o massacre Farhud de membros da comunidade judaica de Bagdá em 1941; ele incentivou ativamente os governos europeus a transportarem os judeus para campos de concentração e não permitirem que os judeus deixassem a Europa; e ele estava envolvido no treinamento de forças militares bósnias pró-nazistas, que cometeram incontáveis atrocidades. Ele também contrabandeava saques nazistas para os países árabes.

Ligações atuais
De acordo com o Observatório da Mídia Palestina: “Na sociedade palestina, o nome Hitler não carrega o estigma que carrega no Ocidente. Tanto as revistas do Hamas quanto os jornais do Fatah, da Palestina, escrevem favoravelmente acerca de Hitler. Para alguns palestinos, o homem e seu nome são dignos de admiração. Embora possa provocar surpresa para observadores ocidentais ver fontes palestinas oficiais apresentando Hitler como um herói, é importante notar que a repulsa a Hitler que é comum no Ocidente não recebe a mesma reação na sociedade palestina. Há até palestinos cujo primeiro nome é Hitler.”

Por exemplo, um artigo em Al Hayat Al Jadida escrito não muito tempo atrás por Hassan Ouda Abu Zaher declarou: “Se Hitler tivesse vencido, o nazismo seria uma honra e as pessoas estariam competindo para se tornar membros dele. Ele não seria uma desonra punível por lei. Churchill e Roosevelt eram alcoólatras, e em sua juventude foram questionados mais de uma vez por brigas que eles iniciaram em bares, enquanto Hitler odiava o álcool e não era viciado a ele. Ele costumava dormir cedo e acordar cedo, e era muito organizado. Esses fatos sofreram uma desordem também, e Satanás recebeu asas de anjos.”

De fato, tremular uma bandeira nazista sobre uma mesquita palestina representa meramente a manifestação mais recente do descarado apoio do movimento nacional palestino em favor da ideologia nazista.

Link original: AQUI

terça-feira, 7 de maio de 2013

O VULCÃO E O CARBONO

Texto de Alexandre Garcia

Você sabia que se um vulcão no Chile ou na Islândia ficar despejando fumaça na atmosfera por quatro dias anulam-se cinco anos de esforços de cada habitante do planeta para reduzir emissões de dióxido de carbono? E se o prezado leitor perguntar o que é esse tal de dióxido de carbono, tão satanizado pela seita ambientalista, a resposta é que o CO2 é um gás vital de que todo vegetal precisa para viver e para transformar o carbono em oxigênio, o gás vital para a sobrevivência de toda vida animal, inclusive humana. Quando eu estudei química orgânica no curso científico, aprendi que o que tem vida, o que é orgânico, tem carbono.

Se você pensar que salvou o mundo do carbono porque gastou um dinheirão para comprar um Prius híbrido ou deixou de usar sacos plásticos no supermercado, ou ainda ajudou seus filhos em trabalhos sobre sustentabilidade, pôs um tijolo na caixa de descarga para diminuir o fluxo de água, ou desistiu de comprar um SUV e vendeu sua lancha, evitou uma longa viagem de avião e ficou em casa, gastou alguns reais a mais para comprar outro tipo de lâmpada, tudo isso será em vão quando o Copahue, ali no Chile, ficar outra vez expelindo gases de estufa e carbono por no mínimo quatro dias.

E temos pelo menos 200 vulcões ativos na nave Terra. Apenas o Pinatubo, nas Filipinas, por apenas um ano, jogou na atmosfera mais gases do efeito estufa que todos os habitantes da Terra. Fanáticos do meio ambiente e do aquecimento global detestam gente. Apontam a humanidade como causa dos males da Terra. Para eles, a Terra estaria melhor sem a humanidade. Se morrêssemos todos, a Terra estaria salva. Eles desprezam o fato de que os ciclos de frio e calor na Terra dependem do sol e da temperatura dos oceanos. 

O resfriamento da Terra tem sido pior que o aquecimento. A Groenlândia (terra verde) já teve pastagens e florestas. Hoje é branca, porque a Terra já foi mais quente e deu vida aos vegetais. O frio acaba com as colheitas, e o calor do sol lhes dá brotação e frutos.

Não vamos poluir nossas águas nem desperdiçar nossas florestas e riquezas. Não podemos sujar o planeta em que vivemos. Mas não podemos cair no engodo de aproveitadores, que recebem gordos orçamentos por causa do terror que provocam com a ameaça do aquecimento global, num planeta que esfriou 0,7 graus centígrados nos últimos 100 anos e está em pleno ciclo de queda de temperatura. Depois virá outro período de aquecimento, quando a Inglaterra voltará a ter uva e vinho, como já teve, antes de os londrinos poderem esquiar no Tâmisa congelado.